Fullmetal Alchemist Brotherhood: O Preço das Escolhas

Um amigo meu me emprestou o mangá de Fullmetal, mas não tinha os últimos volumes. Então baixei o animê, e acabei assistindo tudo. Foi uma experiência muito prazeirosa, e qual não foi minha surpresa ao, dois anos depois, o reassistir, tendo a oportunidade de ver também a primeira versão.

Mas sei que tem muita gente por aí que assistiu só a primeira versão (que eu achei inferior em muitos aspectos) ou que não assistiu Fullmetal, e é a eles que dedico esse review e já começo dizendo: Assistam Fullmetal Alchemist Brotherhood!

(lista de parceiros atualizada novamente) Continuar lendo

Redline: Aprendendo a Diferenciar Hot Wheels de uma Obra de Arte

Eu sinceramente sou uma pessoa do contra. Não, sério, não é que eu goste, mas o sou em uma frequência assustadora. Aí o Qwerty veio com um papo de um filme pra machinho, e o Dih falou que eu provavelmente não ia curtir uma coisa com um enredo tão incerto quanto de Redline. Pronto. Me deu vontade de ver.

Muita gente falava, bem, mal, classificando para um público restrito… E eu acho isso tão questionável.. Falei para mim mesma: São só 90 minutos, de qualquer forma, e embarquei na corrida. Continuar lendo

Red Garden: Qual Zumbi Está Certo?

Red Garden é um daqueles animês que me chamou atenção pelo traço, ano passado. Apesar de “recente” (2006) tinha um pouco de antigo, um pouco de americano, diferente, com personalidade.
Mas sinceramente não entendi bem a proposta inicial, achei que fosse pancadaria com garotinhas, acabei deixando pra lá. Mas depois de ter assistido Umineko e Another liguei o foda-se para a possível violência do enredo e baixei os 22 episódios (isso me lembra Shiki, bem que podiam ter dois OVAs complementares também né… Sobre a Lise… Tá, viajei). Continuar lendo

Cowboy Bebop: Um Exibicionismo Musical

Cowboy Bebop. Lembro-me de ter ouvido falar lendo uma matéria do Lancaster sobre Samurai Champloo (por sinal, alguém recomenda?), e há um mês ter lido um comentário do Dih sobre ser um clássico. Clássicos sempre me deixam curiosa.

O que é? Por que se tornou um clássico? Merece esse título?

E assim embarquei nas aventuras dos caçadores de recompensa de 2000 e guaraná em pílula. Continuar lendo

Pandora Hearts: Sombrio e Colorido se Fundem em um Mistério de Séculos

Pandora Hearts é um dos poucos animês que assisti sem nem mesmo ler a sinopse. E por um motivo estúpido, que é a coincidência dele levar no titulo o meu primeiro nome. Mas, apesar de ter uma qualidade técnica questionável e um final que deixa qualquer espectador absurdamente no vácuo, PH é muito bom e mais do que vale a pena assistir (e depois correr atrás do mangá).
Continuar lendo