Gosick: Entretenimento Bom é para Qualquer Um

Gosick é o exemplo de animê que geralmente eu passo longe. Menina pequena com personalidade difícil, garoto bobo, “mistérios” pra inglês ver. Mas férias são férias, e a falta do que fazer te faz assistir até os mais absurdos. Já deu pra perceber que eu to precisando de indicações boas, né? Se possível deixem nos comentários.

Mas Gosick não foi ruim! Kujo não é um imbecil, Victorique não é uma tsundere um pouco mais inteligente e o roteiro é bem amarrado! Quem diria!

Gosick conta a história de Kazuya Kujo, um estudante transferido do Japão, em um país ficcional chamado Sauville. Na biblioteca do colégio interno em que estuda ele acaba conhecendo uma garota misteriosa chamada Victorique, que é muito inteligente e passa seu tempo ajudando seu meio irmão a resolver casos de crimes complicados. Eles acabam se tornando amigos (Kujo não é muito popular) e se metendo em várias situações estranhas e instigantes.

Gosick não é lá grandes coisas. Os personagens não são excepcionais, os mistérios não são muito difíceis de se deduzir se você tem como hábito a leitura de romances policiais do Doyle e da Christie, o enredo é fraco como um todo. Mas é um ótimo passatempo, um entretenimento de qualidade e bem executado, sendo interessante, na minha opinião, até para quem não é fã de animês.

A história foi muito bem planejada para que conhecessemos Victorique e seu passado aos poucos, o que nos interessa ainda mais do que a resolução dos mistérios episódicos. O envolvimento dos fatores históricos na ficção também é um ponto positivo do animê, que de um modo geral me lembrou um pouco Kuroshitsuji, nesse aspecto. Não sei se é pela ambientação ou pelo olhar entediado-superior da Victorique e do Ciel, mas me lembra.

A utilização de fundos místicos como os “fragmentos do caos” sempre mencionados me pareceu desnecessária, assim como a ceninha das peças se encaixando, mas é a vida. Diferentemente das citações a mitos urbanos e lendas de livros antigos, que foram muito bem encaixadas no roteiro – por sinal, natal e casal dançando com um vestido de bicho me lembrou muito Toradora, e a vocês?

Quanto aos personagens…

Kujo é realmente fofo. Submisso demais, mas nada que a personalidade de sua companheira e o convívio com as pessoas que ele conhece não justifique. A justificativa dele de porque se orgulha se ser o terceiro filho foi cativante. Mas no mais é tudo muito previsível.

Li por aí que a Victorique é carismática. Gente… Onde esse mundo vai parar? Ela é um nojo, minha gente. Ela é pequena, fofinha e nojenta. Inteligente. E nojenta. Com um passado trágico. E nojenta. Sério, com o histórico dela não sei de onde ela tira tanta pose! E o que que há com aquele cachimbo que nem fumaça solta? De qualquer forma achei o trabalho da sua dubladora, Aoi Yuki, realmente excepcional. Foi a primeira vez que escutei soluços femininos convincentes assim em um animê!

Grevil, meio irmão de Victorique, começa como foco cômico do animê e eu pensei que ele seria um daqueles policiais estúpidos e aproveitadores. Mas não. Ele é inteligente do jeito dele, só não é excepcional. E é uma boa pessoa, embora a maior parte do tempo esteja entre a cruz e a espada. É apaixonado de um jeito bonito, nada muito dramático. E realmente bonito sem aquele… Cabelo.

Avril é muito inocente e até um pouco boba, eu diria. Mas é uma personagem verossímil, diferentemente de todo o resto. Afinal, quem não consegue imaginar uma garota de seus 15 anos, sedenta por aventuras e histórias fantásticas, além de se interessar por um amigo? Eu claramente a prefiro, mas como quem decide é o Kujo, não eu…

Cecile é o alívio cômico, mas suas piadas são tão repetidas que nem dá gosto.

Gosick não trás nada de inovador ou surpreendente, mas é estremamente bem feito, seu traço, sua animação, seu roteiro. Vale apena, até para quem não é muito ligado em animê. Interessante destacar também as cenas de ação, que embora curtas, são ágeis e interessantes. Há também cenas “pesadas” (se você pensar naquilo na prática) como o próprio nascimento da Victorique. É uma recomendação para aqueles dias de tédio e cansaço, em que não queremos nada muito complexo, apenas algo bom que prenda nossa atenção.

Anúncios

6 pensamentos sobre “Gosick: Entretenimento Bom é para Qualquer Um

  1. Aoi Yuki atualmente é minha dubladora preferida. Quem diz que quem dubla a Madoka é a mesma que fez Gosick? E apesar de ser comum para seiyuus, emendarem um trabalho no outro, diferente de uma Kana Hanazawa que parece fazer sempre o mesmo papel (ainda que bem), o mesmo tom de voz e mimimi, a Yuki realmente passa sinceridade e procura atuar de uma forma diferente em cada um dos personagens que faz, ainda que simultaneamente.

    Quanto a Vic, eu adoro essa personagem. Sim, ela é nojentinha. Mas hey, carisma não é sinônimo de simpatia. Vic não é simpatica, mas consegue ser carismática e se destacar frente as outras “clones” (como a Alice de Memo-Chou, que não conseguiu fugir do estereotipo). Ela tem um background interessante e como disse você, ela compensa o fato de Kujo ser tão fraco (ainda que eu também goste bastante dele). Gosick foi um dos animes “medianos” que eu mais gostei de acompanhar. Não é complexo, os mistérios são fracos, mas consegue ser envolvente o suficiente. E AQUELE arco final…PUTZ, um dos melhores que teve no ano passado. Curti muito.

    Quanto a indicação, não sei se já assistiu, mas fica a dica ai pra Lovely Complex.

    • Pois é, ela é muito boa. Geralmente nem dou bola pras seyuus femininas, geralmente é tudo a mesma coisa. XP

      Eu sei que carisma não é simpatia, o L de Death Note tá aí pra provar isso. Só acho que os gostos das pessoas está no bico do corvo, mesmo -qq O que torna a Victorique uma boa personagem é toda a história que a envolve, as pessoas que a cercam.

      Já assisti DD:

      • Por acaso gosta de animes com alta carga de suspense psicológico? Caso sim, te recomendo. É anime surpreendente e ainda por cima, aplaudi de pé (embora ainda precise começar a assistir a segunda temporada).

        Eu não gosto do L. No inicio, até curtia ele, mas o cara acabou ficando completamente cego pela megalomania e no fim se enforcou com as próprias mãos (apesar da forçada de barra do roteiro).

  2. Gosick é bom ,mesmo que os mistérios são simples de se deduzir.A estória é fraca mas é um anime que quando eu assistir gostei bastante .
    Você disse que ta precisado de indicações de animes .Recomendo Monster que é uma obra-prima de Naoki Urasawa com certeza você já um pouco dele .Acho que depois de um romance é bom assistir um anime de suspense como ele

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s