Shiki: Como um Animê de Vampiros pode Estraçalhar a sua Mente

Shiki é um animê realmente enganoso. Sinopse e abertura de história de terror barata e previsível. Elenco de “protagonistas” com cara de Slice of Life. Desenvolvimento nada a ver com as condições que acabei de citar e nem com nada que você provavelmente imaginaria.

Mortes misteriosas passam a acontecer em uma pequena vila isolada no interior do Japão chamada Sotoba, depois que uma família de gente rica e extravagante se muda para uma antiga mansão ali localizada. Ao mesmo tempo que vemos as mortes, acompanhamos a história de Natsuno Yuuki, um garoto da cidade grande que se mudou com os pais para uma casinha simples na vila. Acompanhamos também a trajetória de Toshio Oozaki, o médico da vila, que tem recebido muitos pacientes com uma estranha forma de anemia, e Seishin Muroi, um monje amigo de infância de Toshio, que enterra as pessoas que este não consegue salvar.

Shiki não é o que eu chamaria de animê de terror. Não há sustos. Não é tambem exatamente um animê de suspense, é muito lento para isso. Se eu fosse classificar Shiki, eu o classificaria como um “thriller psicológico”. Shiki é pesado, mostra o dia-a-dia de cada morador de um lugar tão pequeno como Sotoba, as relações entre os habitantes, as reações e pesares quanto as mortes… E mostra ao mesmo tempo que essas minúcias particulares, o poder de existências unidas como uma coisa só, quando várias pessoas diferentes se unem com um mesmo objetivo, e até onde elas podem chegar pelo mesmo.

Mas não é tudo assim, tão na cara. Shiki é bem lento. No começo eu achei que fosse ser um animê tipo C.S.I., apresenta-se um personagem, sua vida e sua morte, assim por diante, casos acumulando até a descoberta do assassino no final de tudo.

Mas não foi o caso. Shiki nos diz claramente de quem é a culpa das mortes logo no primeiro capítulo, então ficamos confusos e perdidos, qual o sentido dessa história, então? É cansativo esperar, vou desistir, é o que muitos pensam. Mas quem persiste não se arrepende.

A arte é diferente de muita coisa que nós já vimos, e essa diferença a torna encantadora. Cada personagem é único, e se destaca mesmo com todo o deslumbre de um cenário belamente desenhado. As angulações de cena também são um diferencial. A trilha sonora é uma das poucas coisas de terror/suspense no animê, realmente arrepiante.

Os personagens são muitos, cada habitante da vila tem um espaço dentro da história, mas vamos aos específicos:

Natsuno foi o personagem que mais me surpreendeu até hoje, dos mais de 120 animês que já assisti em minha vida. Eu realmente achava que ele seria o adolescente revoltadinho odeio-o-mundo no estilo Sasuke Uchiha ou Kamui Shirou, mas depois de tantos plot twists carpados, ele é quem se sai melhor.

Megumi era apenas uma menina acéfala dessas que a gente encontra em qualquer lugar. Uma dessas “filhas da moda”. Depois de morta vira uma verdadeira filha da puta. Sério, agora que ela tem poder, quer que tudo saia conforme os seus caprichos, e isso traz a tragédia de muitos outros personagens.

Tohru é um personagem muito carismático, mas fez o caminho contrário de Natsuno. Acabou perdendo muitos pontos com todo mundo por suas atitudes sem qualquer firmeza, mas eu meio que entendo o lado dele também…

O Toshio foi, no final das contas, o verdadeiro protagonista desse animê, na minha opinião. Agindo com clareza (coisa que Natsuno não fez) e tomando as atitudes necessárias, por mais dolorosas que fossem (coisa que o Tohru não fez), chegou perto de por um fim a tudo.

O Seishin… Bem, vou me limitar a dizer que não concordo com a escolha dele e com o resultado dessa escolha. Embora entenda que como monje aquilo deve ter lhe parecido certo, depois de tudo que ele viu.

A Sunako é apenas uma menininha, no fim das contas. Ela pode ser uma excelente estrategista e ser meio cruel às vezes, mas no fundo só quer um lugar para viver em paz. Pena que os fins não justificam os meios.

O que se torna interessante é observar as reações particulares, as negações e os temores, enquanto a história se desenvolve em um ritmo próprio. De tanto ver os moradores, você começa a se identificar com eles e seus nervos começam a ficar à flor da pele, afinal, como eles poderão se salvar?

Só digo uma coisa: Shiki não tem e nem poderia ter um final feliz. É um final difícil de se ver, de se aceitar e de se sair ileso. Não conheço uma pessoa que tenha acompanhado e sido indiferente aos acontecimentos. Mexe bastante com sua estrutura, assista se estiver bem. São 22 capítulos e dois OVA’s, mas assistam tudo junto como se fossem 24 capítulos, vale a pena.

Anúncios

11 pensamentos sobre “Shiki: Como um Animê de Vampiros pode Estraçalhar a sua Mente

  1. E eu ainda não assisti os OVAs. Devia tomar vergonha na cara q
    Shiki é o primeiro terror que assisto inteiro (se não me engano. Não me vem nada à mente agra, então provavelmente é q)

    Eu não diria que não é suspense. Principalmente pra quem acompanhou sapoha semanalmente. AQUILO FOI TORTURA! Quase tive um troço quando ele parou por 3 SEMANAS. E bem na parte mais tensa. = ~ = ‘

    Bem, eu gosto de todos os principais. Isso é tipo MUITO raro em um anime, mas com Shiki foi assim. No seu post lá no P.O. eu acho que disse que não aceitava o fim que ele teve, não é? Porque agora meio que aceito. Achei que foi justo e certo. Até da Megumi eu gostei. De um gostar mais pra odiar, mas gostei xD’

    Acho que o Tohru foi o personagem mais humano. SOFRI com ele. E muito. principalmente meu lado fujoshi. SOFRI COM O FIM DELE. Mas também aceitei. Pensando racionalmente (e ignorando meu lado fujoshi) acho que foi bom. MAS AINDA ASSIM- q

    Eu acho que o Toshio foi meio que o louco dessa coisa toda. Até entendo que ele fez o que tinha que ser feito, mas vem aquela coisa no fim de que os humanos não são tão diferentes dos shikis.

    Agora o monje… É melhor não comentar e____e

    Agora, DELS, não fale que foi fácil adivinhar que eram vampiros. Tinha aquele ~ah, são vampiros!~ e ~ah, mas não pode ser por isso~ Era uma discussão bem legal. Fiquei feliz de estar certa, mas até falarem que REALMENTE eram vampiros. Acho que uma das coisas mais interessantes do anime foi isso XD

    • Ah, o Toshio fez o necessário para descobrir o que estava acontecendo, mas ele não concordava com o q aconteceu no ~final~, saiu do controle dele.

      Ah, cara, qndo no primeiro episódio a menina morre com uma MARCA DE MORDIDA no pescoço… Meio q não tem espaço pra dúvidas.

      Por fim, que bom q começou a aceitar ~os fatos~. Mas assista os OVA’s, tenho ctza q vai gostar. (ounão, né, pq toda aquela violência… XP)

  2. Não foi muito dificil descobrir q A historia era de Vampiros, mas no inicio eu cheguei a pensar q era historia de caes selvagens e tals, a 2º opening é mt foda

  3. Anime tem uns traços legais ……mas se voce leu o livro do stephen king, a hora do vampiro é simplesmente a historia tirada dele………….. Exatamente igual.

  4. Assisti esse anime, se eu não me engano, logo depois que todos os eps haviam lançados (pq não aguentar ficar uma semana sem saber oq acontece depois). Bom, eu resolvi rever esse anime ñ sei pq mas, enquanto eu via os eps, eu prestei bastante atenção na abertura, pelo menos na primeira, mostra os personagens virando caveiras. E ao decorrer do anime, eu via todos esses mesmos personagens morrendo iai eu ficava com raiva pq já fazia ideia quem morreria. 😦 mas eu amei a história da sunako (queria que tivesse algo mais com ela e o monje)

  5. Eu posso até estar enganado, eu assisti esse anime porque me falaram que era muito parecido com Another,decepção pura, enredo pobre, cheio de contradições e muito forçado, quando certas contradições grotescas do roteirista começaram a aparecer, comecei a pular frases para poder tentar chegar ao final do anime. Duas coisas que ficou sem resposta para mim, 1 o anime tenta passar a ideia pelo que entendi, que somente aqueles que tenham uma parte maligna dentro de si pode despertar” a enfermeira despertou porque?” 2 fica a ideia de que eles não são malignos são somente uma raça que esta tentando sobreviver, assim como humanos caçam animais pra sobreviver eles fazem o mesmo com os humanos, algo como um ciclo da vida”começa a contradição”, os seres humanos descobrem e começam a caçar os vampiros para salvar suas vidas, mas ae os humanos jã são maus por fazer isso como diz o titulo do ova1 vigésimo luto e maldade, mostrando os pobres vampiros sendo caçados e mortos pelos maldosos humanos ¬¬, isso porque não disse a ideia distorcida de Caim e Abel que o “Monge” tenta passar, essa historia de Caim como vampiro já é antiga, vem la de vampiro a mascara, quem conhece sabe, a ideia de que Caim tentou matar Abel por sobrevivência foi “Ô” piada pura, só pode ser isso, Caim matou Abel por inveja, porque Abel recebia mais a atenção de Deus e como consequência foi amaldiçoada a andar eternamente pela terra com um sinal, e quem quer que tentasse mata-lo receberia a maldição também, dae surgiu o vampiro caim pelo jogo de rpg Vampiro a mascara, enfim enredo fraco e historia dislexa, na minha visão é um verdadeiro insulto comparar isso com Another.

  6. Gostei muito desse anime. Entra no meu top 10. O que eu mais gostei, foi que, como voce disse, no final voce não se conforma com o final porque ele mostra que os verdadeiros monstros não são os shikis. E, ah mano, foda-se, eu gosto muito da Megumi. Mesmo ela sendo “acefala”, ela ainda é cruel e tem um lado humano. Aliás, não existem anjos e demonios nesse anime. Todos eles tem um lado bom e mau. A megumi por exemplo, fez tudo o que fez porque se sentia humilhada pelos moradores sempre rindo dela e pelo fato da vila nunca mudar, evoluir. Ela só queria sair da cidade. O Masao, mesmo no inicio sendo um filho da puta, quando ele ta morrendo, ninguem se importou em ao menos saber se ele tava vivo. Dá pra entender o lado cruel deles

  7. Nem sei se vai ler meu comentário mas vamos lá:

    Pra começar, eu não vi nada de mais nesse anime. Como vc disse, o desenvolvimento da história é bem lento…Eu sinto que as coisas só “começam a acontecer pra valer” na metade dos episódios em diante. Já fiquei meio receoso quando percebi que a história é sobre vampiros, (coisa que eu detesto) mas ainda assim resolvi dar uma chance. Vc mencionou que a arte é diferente do que já vimos…Mas que arte exatamente? Se vc fala dos cenários, realmente são bonitos, mas nada que eu já não tenha visto em outros animes. Se for a arte (design) dos personagens, então discordo. Na vdd achei bastante clichê – Cabelos coloridos e estilosos, olhos grandes e traços finos…Típico traço de animes, que inclusive não curto muito e quase me fez desistir de assistir.

    Com relação aos personagens, tbm não vi nada de especial. O médico tem aquela personalidade tipo “foda-se, tô nem aí pra nada” (falo no jeitão de ser q ele tem). O Natsuno é só mais um daqueles caladões que tem em todo anime, que não se importa com ngm, mas que no final faz algo em prol dos outros. E a Megumi não se tornou filha da puta depois de morta…Ela já era bem escrota mesmo quando ainda era viva. Tem várias cenas só no 1° ep onde é mostrado isso. Uma garota chata que se acha melhor q os outros moradores só pq manja de moda européia. Esnoba a única amiga que tem e nutre uma paixão platônica não correspondida.

    Apesar de todos esses pontos negativos eu classificaria Shiki como “assistível”. Um anime bem “nada de mais”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s